Casal apaixonado de Cinfães é campeão do mundo em Estátuas Vivas

Casal apaixonado de Cinfães é campeão do mundo em Estátuas Vivas

Duas malas carregadas de pinturas, uma réplica de uma pedra, e roupas em tons de verde. Assim foram carregados para o avião, Cátia Ferreira e Vítor Hugo, do grupo artístico ‘Strapafourd – Art Alive’, com destino à Holanda para participarem no concurso mundial de estátuas vivas.

Foi mais uma viagem que este casal, apaixonado (ou não fossem marido e mulher de longa data), fizeram para lutarem pelo título de campeões. E foi com um beijo realista, que demorou quatro horas imóvel e com os lábios e a “tocarem-se suavemente”, que conquistaram o júri e se sagraram Campeões do Mundo em Estátuas Vivas.

“Foi um beijo difícil”, brincou Hugo, não pela boca que beijava, até porque essa era-lhe familiar, mas antes pelas condições meteorológicas que o casal encontrou na cidade de Arnhem, na Holanda. “Estavam 9.ºC e chuva, com muita humidade no ar”, relatou. Mas as estátuas resistiram com a sua força física e psicológica.

Foi com grande felicidade que receberam o rótulo de Campeões do Mundo na modalidade, que foi disputada por diversas pessoas vindas de todos os cantos do mundo, como Austrália, Indonésia, México, Argentina, entre outros. Já vinham há três anos a lutar por isto. “Foi um ano de intenso trabalho, porque tivemos de treinar a nossa parte física, pois estivemos quatro horas naquela posição, mas também a parte psicológica, que faz com que não fiquemos imobilizados durante horas”, descreveu o campeão.

Há oito anos que faz das estátuas vivas a sua ocupação dos tempos livres. Entrou nesta área arrastado pela sua mulher, Cátia, que é atriz e desenvolveu uma estátua viva de grupo e, desde então, nunca mais abandonou a arte. Juntos começaram a ficar imóveis, a representar personagens e isso tem ajudado a “imobilizar” e solidificar a relação que une Hugo e Cátia, residentes em Oliveira do Douro, no concelho de Cinfães. “Passamos muito tempo juntos, fazemos terapias juntos, e partimos em viagens os dois pelo país para fazermos estátuas vivas. Tudo isto fortalece a nossa relação que, para já, está estável como uma estátua”, constatou.

Este trabalho “O Beijo / The Kiss” havia já sido distinguido em Festivais artísticos tais como o Encontro de Estátuas Vivas de Espinho – Prémio do Júri e Prémio do Público; UFO (Polónia) – 1º prémio; STATIC – Festival de Estátuas Vivas de Santa Cruz – Prémio do Júri e Prémio do Público, Festival de Estátuas Vivas de Tomar – prémio do Público e Prémio do Júri. Esteve também presente em outros Festivais internacionais como convidados.

As ‘Estátuas Vivas’ são uma forma de expressão artística que combina diversos elementos. O estatismo enquanto forma de expressão reúne a criação e construção plástica, a representação sob a forma de micro-teatro e a arte da quietude.

1 comentário

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

1 Comentário

  • Jose´Maria Videira
    9 Outubro, 2019, 12:16

    EXTRAORDINÁRIO QUADRO! PARABÉNS E FELICIDADES.

    REPLY