Penafiel: Apresentação do “BioProdutores” destacou aumento de consumo de produtos biológicos na região

Penafiel: Apresentação do “BioProdutores” destacou aumento de consumo de produtos biológicos na região

No passado dia 12 de setembro, foi oficialmente lançado o projeto BioProdutores, no Auditório do Museu Municipal de Penafiel.

Com “mais inscrições do que o esperado, obrigando a fechar as inscrições uma semana antes do evento”, foi com um rescaldo positivo que Daniel Queirós, Diretor Executivo da BioProdutores fez o balanço da apresentação.

Depois de apresentado o projeto, os participantes tiveram oportunidade de visitarem explorações de agricultores que estiveram presentes e que se propõem a aderir ao mesmo. “Este foi o pontapé de saída, passo a expressão. Seguem-se candidaturas, avaliações das mesmas, adesões, mais ações de divulgação”, salientou o diretor.

Daniel Queirós adiantou que quer agora levar o BioProdutores a mais pessoas e, para tal, pretende contar com a ajuda de “redes sociais, novos canais em voga e eficientes para o efeito”. A apresentação pública foi o primeiro passo e “correu muito bem”, até pela presença dos oradores que marcaram presença ligados à agricultura biológica: “como engenheiro Jaime Ferreira, da Agrobio, a professora Isabel Mourão, o douror Telmo Pinto, da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, o professor José Luís Robles e o engenheiro Serafim Lopes”.

A agricultura biologia, “prática que cresce em toda a Europa, impulsionada pelo aumento da procura por parte dos consumidores”. Questionado sobre o porquê desta crescente procura pelos produtos biológicos, o diretor do BioProdutores afirma que se trata da crescente informação por parte dos consumidores no que concerne à “qualidade (ou falta dela) dos alimentos que consome e que são produzidos em modo dito ‘convencional’. A juntar à questão ‘qualidade/saudável’, somam-se fatores sociais, ecológicos e de sustentabilidade que já ninguém ignora e que sustentam o crescimento da Agricultura Biológica”.

Relativamente ao Tâmega e Sousa, Daniel Queirós considera que há também uma crescente procura pelos produtos biológicos. “Razões económicas e de carácter ambiental, aliadas a razões de saúde e até de missão – há que salvar o mundo e o tempo é curto -, são já razões universais”, disse.

Em jeito de conclusão, o diretor constatou que a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa tem feito um trabalho “exemplar e que apoiamos em toda a linha, para elevar a região a Bio Região, sinal inequívoco da preocupação existente no que diz respeito a toda esta matéria”.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta