Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto teve ‘casa cheia’

Feira de Artesanato e Gastronomia de Celorico de Basto teve ‘casa cheia’

Entre os dias 14 e 18 de agosto, Celorico de Basto foi palco da 22.ª edição da Feira de Artesanato e Gastronomia e Mostra de Vinhos.

Ao longo de cinco dias, foram milhares os visitantes a dirigir-se ao Mercado Municipal para degustar a gastronomia e os vinhos verdes da região e assistir ao trabalho feito ao vivo por artesãos do concelho, cujos produtos puderam adquirir no local.

Para ajudar à festa, houve ao longo do evento diversas atuações musicais, com destaque para dois grupos oriundos do Luxemburgo, os Raízes do Minho e o Cancioneiro do Alto Minho, conjuntos maioritariamente compostos por emigrantes.

Os restantes grupos que animaram a feira foram os seguintes: os Tamegaitas, o Rancho Folclórico de Sta. Maria de Canedo, o Grupo de Cavaquinhos de Arnoia, o Rancho Folclórico “os Amigos do Castelo”, os Farrafanfarra, o Grupo de Concertinas “Viva Moreira”, o Grupo de Cavaquinhos de Arnoia, os Zamburra, os Somos Minho, os Amigos das Tainadas, os Antromilho, o Grupo de Concertinas “Viva Moreira”, os Gruilha e a Tuna de Arnoia.

Susana Matos, emigrante em Metz (França), escolheu Celorico de Basto como destino de férias de verão e não foi embora sem admirar o artesanato, que diz ser “muito interessante”, com peças “muito bonitas e de várias zonas do país, feitas ao pormenor”. Também a gastronomia “deliciosa” e os “espetáculos musicais muito divertidos” ajudaram a pintar o cenário da festa, a qual “vale muito a pena visitar”.

Satisfeito com a adesão ao evento, Joaquim Mota e Silva, presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, revelou que o número de visitantes aumenta de ano para ano: “a cada edição temos mais visitantes a passar por este certame, muitos que vêm sempre, a cada edição, e muitos outros que, pelo passa-palavra e pela publicidade, vieram pela primeira vez e estou certo que adoraram e regressarão no próximo ano”.

O autarca salientou que, a par da gastronomia, dos vinhos e do artesanato, os principais responsáveis pelo sucesso da iniciativa são “o convívio, a confraternização, o reencontro, a amizade e os laços que se criam e se fortalecem”, o que se traduz numa “aposta ganha”.

Para terminar, Joaquim Mota e Silva salientou a “importância económica” desta Feira de Artesanato e Gastronomia e Mostra de Vinhos para Celorico de Basto: “este é um evento anual muito requisitado por locais, turistas e emigrantes, que contribui para que a restauração, o alojamento e os diferentes serviços façam negócio com este dinamismo e esta afluência de gentes ao concelho”.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta