Felgueiras vai assinalar o dia maior do ano na Villa Romana de Sendim

Felgueiras vai assinalar o dia maior do ano na Villa Romana de Sendim

A  Villa Romana de Sendim, em Felgueiras, vai transformar-se numa vila romana nos dias 21 e 22 de junho, para celebrar o Solstício de Verão, que é o dia maior do ano.

Este dia assinala um fenómeno astronómico, em que a terra se encontra mais próximo do sol, marca o dia mais longo do ano e tem sido alvo de culto ao longo dos milénios por várias culturas. Além disso, a data é importante na agricultura visto que se trata de uma época propícia a alguns tipos de sementeira e de colheita.

No dia 21 o programa inicia pelas 20 horas com o tema “Augúrio pelo voo das aves”, seguindo-se uma queimada pelas 20h30, e uma visita noturna às ruínas e centro interpretativo da Villa Romana de Sendim.

No dia 22, abre-se o mercado romano pelas 16 horas. Uma hora mais tarde acontece os “Contos de outros tempos / Atividades para os mais novos”, seguindo-se um Mercado de Escravos, uma peça de teatro, Discordância dos Deuses. Pelas 18h30 acontece a Purificação pela Água, meia hora mais tarde o Culto à Deusa Vesta, assim como o Casamento Romano. Também o jantar, que vai ser servido pelas 20 horas de sábado, vai ser subordinado ao tema. Pelas 21horas dá-se a peça de teatro intitulada “Patrício Embriagado”. O evento termina pelas 22 horas com “Solstício Espetáculo de Fogo”.

O Sol enquanto parte da mitologia

O sol sempre fez parte da mitologia de diversas culturas, os Persas tinham em Mitra o deus Sol da sabedoria e da guerra, culto que foi adotado por Hindus e Romanos. Na cultura romana o culto ao sol, a sua relação com o fogo e o calor, era tão forte que o imperador Aureliano em 270 d.C. introduziu o culto oficial do Sol Invictus (Sol Invicto).

Nos dias que precediam o solstício de verão os romanos celebravam o festival de Vestália dedicado a Vesta, deusa virgem romana que personifica o fogo sagrado e a pira doméstica. O festival encerrava com a limpeza do templo de Vesta que personificava a purificação.

Este culto e festas pagãs terminaram com o nascimento do cristianismo, apesar do mês de junho continuar a ser um momento importante de celebração e festas, festejando-se Santo António, São João e São Pedro, e que muitos estudiosos fazem a ponte com as antigas festas pagãs e com a celebração do solstício de verão.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta