Ensino: Oferta formativa do ISCE Douro pensada às necessidades do Tâmega e Sousa

Ensino: Oferta formativa do ISCE Douro pensada às necessidades do Tâmega e Sousa

Desde 2015 que o ISCE Douro, Instituto Superior de Ciências Educativas do Douro, leciona a partir de Penafiel para a região do Tâmega e Sousa. É assim que Mário Gandra, presidente da instituição, assume este estabelecimento de ensino. “O ISCE Douro é vocacionado para o ensino e investigação nas áreas da Educação, Turismo, Desporto, Artes e Multimédia, num sentido de resposta às necessidades da região do Tâmega e Sousa. A nossa oferta formativa é pensada para dar à região os profissionais de que esta precisa”.

Depois de 23 anos de experiência com o Instituto Superior de Ciências Educativas de Felgueiras, o ISCE Douro posiciona-se em Penafiel por forma a tornar-se mais central e apelativo para todos os concelhos do Tâmega e Sousa, com umas instalações criadas de raiz capazes de oferecer aos alunos todas as condições necessárias para a aquisição de novas competências nas cinco áreas de ensino disponíveis.

O ensino apesar de ser privado é de acesso a todos os jovens, uma vez que dispõe de Bolsas de Estudo do MCTES-DGES para alunos com baixos rendimentos.

Para Rúben Queirós, aluno do segundo ano do Curso Técnico Superior Profissional (CTESP) de Multimédia, o acesso ao ISCE Douro pode tornar-se mais económico. “Feitas bem as contas, pagar a propina fica mais acessível do que ir estudar para longe de casa. E não perdemos nada da vida académica. Temos tudo ao pé de casa”, garantiu Rúben Queirós e Diana Nunes, aluna do CTESP de Turismo, natural de Lousada. “Inicialmente os jovens podem achar que estudar ao pé de casa pode ser menos libertador, mas a verdade é que ganhamos em tudo. O ambiente é mais próximo, somos todos amigos, independentemente do curso onde estamos, e as contas para os nossos pais são mais favoráveis. Não temos de pagar casa nem viagens longas. Compensa estudar no ISCE Douro”, concluiu.

Os CTESP estão a ser uma forma de captar mais alunos, profissionalizando em nível 5, e atraindo depois para a licenciatura com um acesso mais facilitado. Isto é, os alunos optam inicialmente por um curso destes de dois anos de ensino, com acesso direto à licenciatura e com a facilidade de corresponder a disciplinas e obter em menos tempo, entre ano e meio e dois anos, uma licenciatura.

Segundo Fábio Ferreira, aluno do primeiro ano do CTESP de Multimédia, “entrando no CTESP podemos ficar com um nível superior e caso pretendamos podemos seguir para a licenciatura de Produção de Conteúdos Interativos e Multimédia de uma forma mais facilitada. A verdade é que com um curso superior de dois anos entramos mais rapidamente no mercado de trabalho, através do estágio, e conseguimos até coordenar a licenciatura com um trabalho”, explicou Fábio Ferreira que entre o 12º ano e a entrada no ISCE Douro esteve a trabalhar, percebendo que “era melhor voltar a estudar para ganhar mais ferramentas, e isso encontrei no meu curso”.

A satisfação em frequentar o ISCE Douro é transversal, os professores também sentem que estar nesta instituição é “muito gratificante”. Maria Lopes de Azevedo é coordenadora do departamento de Educação, já passou por outros estabelecimentos de ensino, mas considera “muito interessante estar no ISCE Douro. A proximidade com os alunos, o facto de nos conhecermos a todos, faz com que o trabalho seja mais intenso e acima de tudo um privilégio poder trabalhar num espaço onde todos contamos, ninguém é invisível, como acontece em outros sítios onde somos tantos que ninguém nos conhece”.

Pedro Forte, professor no departamento de Desporto, corrobora das palavras da colega de Educação e acrescenta que “é muito interessante para nós que estamos a capacitar estes alunos, perceber que todos que terminam a licenciatura estão a trabalhar. É para nós uma motivação extra”, assume o professor que detém o maior número de alunos da instituição e ainda assim conhece “um a um”. A área de Desporto é a mais procurada, desde os CTESP até às licenciaturas, facto que o coordenador diz ser “importante, até porque a área tem ainda muita oferta na região, e sabemos que estamos a formar profissionais para poder dar resposta às necessidades da população local”.

Prova, também, que o ISCE Douro tem uma oferta formativa pensada na região do Tâmega e Sousa é o CTESP em Enografia e Enoturismo. Curso único que pretende dar profissionais a uma região com forte aposta na área dos vinhos e do turismo.

Mário Gandra, presidente da instituição, sublinhou a importância do ISCE Douro na região como “o estabelecimento de ensino pensado para as necessidades da região comprovado pela colocação dos alunos no mercado de trabalho em cerca de 80%”.

Para o ano letivo 2019/2020, o ISCE Douro tem disponível os CTESP de Desenvolvimento de Conteúdos Multimédia, Turismo Desportivo e de Aventura, Serviço Familiar e Comunitário, Enografia e Enoturismo e Exercício Físico.

No que toca a licenciaturas tem disponíveis Produção de Conteúdos Interativos e Multimédia, Educação Física e Desporto e Educação Básica. Esta última licenciatura permite o prosseguimento de estudos para o Mestrado de Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico. O ISCE Douro oferece ainda o Mestrado em Ensino de Inglês no 1.º Ciclo do Ensino Básico.

A instituição de ensino tem ainda disponíveis cursos de pós-graduação que podem ser conhecidos em www.iscedouro.pt

As pré-inscrições já estão disponíveis no sítio na internet bem como na secretaria do ISCE Douro em Penafiel.

A Verdade
ADMINISTRATOR
PERFIL

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta