Paredes: Detidos na operação “Prazo Final” ficam em liberdade até ao julgamento

Paredes: Detidos na operação “Prazo Final” ficam em liberdade até ao julgamento

Manuel Luís Martins, sócio-gerente de uma sociedade comercial do ramo imobiliário, com sede em Lordelo, no concelho de Paredes, e os seus seis cúmplices, vão aguardar em liberdade, segundo determinou o tribunal de Marco de Canaveses. Os sete arguidos estão acusados de crimes de branqueamento, fraude fiscal qualificada, fraude na obtenção de subsídio e insolvência dolosa.

No passado dia 16 de maio, os arguidos começaram a ser ouvidos em tribunal e hoje, dia 20, foi conhecida a medida de coação aplicada, ficando agora a aguardar com Termo de Identidade e Residência.

Recorde-se que em causa estavam cinco homens e duas mulheres que, alegadamente, tinham engendrado um esquema de faturação fraudulenta, contando para tal com a colaboração e participação de responsáveis de várias outras sociedades. Os detidos são naturais de vários concelhos do norte do país, nomeadamente de Paredes, Paços de Ferreira, Vila Nova de Gaia, Vila do Conde, Santa Maria da Feira e Matosinhos.

Cerca de 70 investigadores da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária e inspetores tributários da Direção de Finanças do Porto da Autoridade Tributária, realizaram no dia 15 de maio, 22 buscas domiciliárias e não domiciliárias, no âmbito de inquérito titulado pelo Ministério Público – DIAP de Paredes.

Da investigação apuraram que o grupo apresentou um projeto financiado junto do “Programa Portugal 2020”, dando uma aparência de normalidade às transações efetuadas e que sustentaram a emissão de faturação falsa no período que mediou, pelo menos, desde maio de 2015 a agosto de 2016. Conseguiram, assim, obter, através da Agência Para o Desenvolvimento e Coesão, um montante global de subsídios comunitários de cerca de três milhões e cem mil euros, valores que efetivamente receberam e dos quais se apropriaram, vindo a transferir tais valores para a sua esfera patrimonial, usando-os em proveito pessoal.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

Apoie o jornalismo de qualidade.
Faça uma doação para este projeto.