Publicidade

banner-festas-do-marco-2019-700x394
Banner-Expomontemuro-2019-700x315

Pedro Flores e Marina Magalhães apresentam “Exercitar para Aprender” em Penafiel

Pedro Flores e Marina Magalhães apresentam “Exercitar para Aprender” em Penafiel

Este sábado, dia 18 de maio, o Instituto Superior de Ciências do Douro (ISCE Douro), em Penafiel, recebe a apresentação do livro “Exercitar para Aprender”, de Pedro Flores e Marina Magalhães.

Pedro Flores é natural de Amarante, é professor de educação física e autor do livro “Atividades Físico – Motoras em Crianças com Necessidades Educativas especiais”. Marina Magalhães é de Paredes e é professora de Educação Especial.

Este livro tem como tema central a psicomotricidade, uma vez que os autores defendem que “quanto mais cedo se iniciar a educação psicomotora, maiores serão as possibilidades adaptativas das crianças na sociedade”.

Em conversa com o Jornal A VERDADE, os autores explicaram as razões que os levaram a escrever um livro sobre este tema. Pedro Flores refere que “as atividades motoras que outrora eram simples e naturais, como saltar à corda, diversas posições de equilíbrio, lançar objetos, entre outras, hoje parece que para a maioria das crianças são atividades complexas”, garantindo que a culpa não é das crianças, mas sim dos adultos. “Não percebemos como muitos adultos conseguem apontar as crianças como as principais responsáveis pela sua inatividade. Pela sua natureza, a criança necessita, e gosta, de se exercitar”, notou.

Para o professor de educação física “o contexto atual favorece uma diminuição da atividade física nas crianças, comprometendo o seu desenvolvimento psicomotor e, consequentemente, as suas aprendizagens”, acrescentando que um dos principais objetivos do manual passa por “apresentar um reportório de atividades educativas psicomotoras, que podem ser realizadas pelos professores e pais, para estimular a criança, com a finalidade de melhorar o seu potencial motor e a sua aprendizagem”.

Por sua vez, a professora de educação especial, Marina Magalhães recorda que, no início da escolaridade obrigatória, as crianças são referenciadas para educação especial por apresentarem, principalmente “problemas psicomotores”, lamentando que “raramente é feita uma observação psicomotora e acaba por não se saber em concreto quais os problemas psicomotores existentes”.

“É reduzido o padrão de atividade física desportiva das crianças com necessidade educativas”, começou por dizer a docente, referindo que é “neste grupo em se verifica uma discriminação de oportunidades para a prática das atividades físicas desportivas. Isto acontece também na Disciplina de Educação Física. Muitas vezes estas crianças não realizam a aula ou apresentam atestado médico. Na maioria das vezes não é por apresentarem uma doença, mas sim por razões associadas às suas dificuldades ou limitações motoras, pois não acompanham grande parte das atividades propostas”.

Desta forma, Marina Leitão aponta como outro objetivo do livro a apresentação de um manual com um “reportório de atividades terapêuticas psicomotoras, que podem ser realizadas pelos professores e pelos pais, para estimular as crianças”, defendendo que “é a partir da educação e da terapia psicomotora que a criança pode recuperar, em parte, as lacunas do seu vivido”.

Para os autores “a educação ou terapia psicomotora não serão o remédio para todos os problemas das crianças, assim como, a medicina também não cura todas as doenças, mas é um meio para ajudar as crianças a superar, com menor dificuldade, as suas limitações psicomotoras”.

Publicidade

Banner-Festival-Francesinha-Felgueiras-700x446

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta