Equitação chega a Castelo de Paiva com a ajuda de pessoas com deficiência e incapacidade

Equitação chega a Castelo de Paiva com a ajuda de pessoas com deficiência e incapacidade

Num ambiente em que predomina o verde, o cheiro da terra revolvida, das ervas aromáticas e dos muitos animais que por ali deambulam, surge um projeto na Quinta de São Pedro que não tem deixado ninguém indiferente.

Trata-se de um novo desporto que passa a estar ao alcance de todos: homens e mulheres, com duas pernas ou só uma, com dificuldades cognitivas e sem elas. A equitação passou a estar acessível a todos esta semana, com a implementação de um projeto que fomenta a prática da equipação de e para pessoas com deficiência e incapacidades.

Marisa Teixeira, técnica de reabilitação psicomotora é uma das pessoas que está a coordenar o início deste projeto, em que o centro das atenções são os cavalos. “A ideia surgiu na sequência do curso para tratador e devastador de equinos para pessoas com incapacidade e deficiência”, explicou. Aquando do término da lecionação do curso, a turma revelou potencial nesta área de formação e os formadores sentiram necessidade de dar empregabilidade a alguns deles.

Paula Simões, Marisa Teixeira e Augusto são três dos mentores do projeto

Marisa trocou os gabinetes médicos para abraçar este projeto. Assim como ela, também Célia,  Susana e Augusto aliaram-se à equitação no concelho. Assim, a equipa é formada por duas psicólogas e uma psicomotricista e ainda um tratador de cavalos, que juntos conseguem abranger um grande leque de deficiências, mas também de outras patologias.

A Quinta de São Pedro, pertence à Turispaiva mas está a ser arrendada pela Coorporatipaiva, formada por dois centros sociais – do Couto Mineiro de Pejão e de Santa Maria de Sardoura. Paula Simões é a diretora do hotel e do projeto “Quinta”, cujo objetivo é tornar o espaço numa quinta pedagógica com diferentes valências.

“Estamos muito orientados pela vertente social. Todo o trabalho realizado na quinta é levado a cabo pelos formandos, como é o caso dos cavalos”, disse Paula Simões.

O projeto conta ainda com a ajuda de Célia e Susana

Projeto conta com a ajuda de pessoas com incapacidades

Tendo em conta que em Castelo de Paiva não existe a modalidade de equitação nem desporto adaptado, a equipa “juntou o útil ao agradável” e lançaram a semente que já começa a dar frutos. Esta semana, o projeto foi implementado no Hotel Quinta de São Pedro, local preparado com pista de equitação e onde vão decorrer as aulas particulares para quem quiser aprender a andar a cavalo. Ao mesmo tempo, várias pessoas portadores de deficiência estão já a usufruir desta experiência. Uns, têm aulas de equitação, e outros, já ajudam as professoras da modalidade a darem as suas aulas.

Miguel é um dos portadores de deficiência que usufruir da equitação e testemunha as suas vantagens

 

“Um sorriso de quem acaba de andar de cavalo é maravilhoso. Mas principalmente para as pessoas e crianças portadores de deficiência é uma experiência inesquecível. Marca-os muito e isso é gratificante”, expressou Paula Simões.

Joana Pereira, é formadora e presidente da Associação Equiterapeutica do Porto e Matosinhos, é a associação que tem dado todo o apoio e formação para que este projeto, ao fim de três anos, conseguisse sair do papel. Para ela, implementar o projeto de equitação em Castelo de Paiva foi muito positivo. “Estamos a dar emprego a pessoas com dificuldades ou deficiências”, evidenciou Joana Pereira.

Joana Pereira alia a psicologia à equitação para ajudar crianças e adultos na equitação

Explicou também que a função de tratador de cavalos é muito adaptada a este tipo de formandos. Até porque têm de ser “pessoas com muitas rotinas, e este tipo de população, se forem tarefas simples e transmitirem conforto, conseguem adaptar-se facilmente”. Frisou ainda que o contacto com os animais potencia a tranquilidade destas pessoas.

Muitas crianças sofrem atualmente de défice de atenção, hiperatividade, por exemplo. Marisa Teixeira afirma que a equitação ajuda as crianças no sentido em que lhes dão rotinas e as dotam de postura, responsabilidade e tranquilidade. “Temos crianças que chegam aqui quase sem falar, que andam na terapia da fala, e que começam a dizer as primeiras palavras aos cavalos, e isso denota o papel importante que a equitação tem no ceio dos mais jovens”, explicou Marisa Teixeira.

A equitação pretende tornar Castelo de Paiva mais inclusiva e trabalhar problemas de foro psicológico e motor

Além disso, em Castelo de Paiva não há desportos para pessoas com deficiência. E a equitação entra nesse sentido. “Quando falamos em deficiência temos de nos lembrar que um jovem de 25 anos que teve um acidente e ficou sem perna é um desses casos, e pode ter um objetivo de vida igual aos outros e um desporto”, frisou Marisa Teixeira. A equitação adaptada veio colmatar esta debilidade.

Mas estas psicólogas que abraçam agora este projeto contaram com a ajuda da Associação Equiterapeutica do Porto e Matosinhos. Retiraram-nas dos seus gabinetes e começaram a ensinar-lhes técnicas relacionadas com a profissão mas ao ar livre, onde os cavalos são o centro das atenções. As psicólogas têm formações duas vezes por semana.

Formandos ajudam durante as aulas num ambiente de natureza e tranquilidade

Dezenas de crianças andaram pela primeira vez de cavalo

Jóia e Shakira são os dois cavalos escolhidos para o projeto

A Shakira e na Jóia são os dois cavalos destinados ao projeto. Embora sejam animais, muitos dos que trabalham com eles diariamente já nutrem uma grande amizade.

Durante a primeira semana de férias escolares, várias crianças não só dos Agrupamentos de Escolas de Castelo de Paiva e de Penafiel, como de centros de estudos e na colónia de férias de páscoa da Câmara municipal de Castelo de Paiva, vieram conhecer os dois cavalos.

“Castelo de Paiva precisa de muitas coisas para diversificar as ofertas para todo o tipo de público, de trabalhar a inclusão”, salientou Paula Simões, diretora do projeto “Quinta”, onde a equitação está inserida. É um concelho com algumas dificuldades a vários níveis e tudo o que poder beneficiar as pessoas que cá vivem e visitem é positivo.

Para usufruir das aulas de equitação e sentir na primeira pessoa os seus benefícios, basta dirigir-se às instalações do Hotel Rural Casa de São Pedro.

Centenas de crianças andaram pela primeira vez de cavalo na semana aberta

 

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

Apoie o jornalismo de qualidade.
Faça uma doação para este projeto.