Celorico de Basto volta a cobrir-se de laços azuis em abril

Celorico de Basto volta a cobrir-se de laços azuis em abril

Durante o mês de abril, depois das camélias, Celorico de Basto vai encher-se de laços azuis, que simbolizam a sensibilização e consciencialização para a prevenção dos maus tratos na infância.

Pelo 7º ano consecutivo, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Celorico de Basto e o município associam-se à campanha “Abril – mês da prevenção dos maus tratos na infância”, em prol da qual se vão realizar diversas ações ao longo do mês: no dia 1, serão colocados laços daquela cor nas fachadas dos edifícios públicos e instituições particulares; no dia 6, realiza-se a caminhada noturna “Entre laços e Pirilampos”; durante o mês, serão desenvolvidos vários laços humanos pelas instituições que integram a CPCJ, finalizando, no dia 30 de abril, com os laços humanos desenvolvidos nas escolas do concelho.

Fátima Araújo, presidente da CPCJ de Celorico de Basto, referiu que abril “será um mês dedicado à prevenção, com a participação ativa de todas as entidades locais com competências em matéria de infância e juventude a colaborar ativamente para o mesmo objetivo: a promoção do bem-estar das crianças e dos jovens, em especial no seio familiar”.

Por sua vez, Joaquim Mota e Silva, presidente do município, considerou campanhas como esta “fundamentais para a prevenção, para a sensibilização, contribuindo muito positivamente para que as nossas crianças e jovens possam ter um crescimento saudável, e sejam adultos capazes, conscientes e responsáveis”.

A campanha dos “laço azul” iniciou-se em 1989, nos Estados Unidos da América, quando uma avó, Bonnie W. Finney, amarrou uma fita azul à antena do seu carro como forma de sensibilizar para os maus-tratos de que a sua neta era alvo e que tiraram a vida ao seu neto de forma brutal. Assim, como forma de não esquecer as nódoas negras presentes nos corpos dos seus dois netos,o azul tornou-se símbolo mundial da luta na proteção das crianças contra os maus-tratos.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

Apoie o jornalismo de qualidade.
Faça uma doação para este projeto.