Publicidade

banner-baiao-festas-700x259

Bombeiros de Paredes procuram pessoa desaparecida no rio Sousa

Bombeiros de Paredes procuram pessoa desaparecida no rio Sousa

Os Bombeiros Voluntários de Paredes estão, desde a manhã de domingo, dia 31 de março, a fazer buscas para encontrar uma pessoa que caiu ao rio Sousa, junto à ponte que liga Penafiel a Paredes.

O alerta foi dado pelas 8h01 de domingo, por civis que assistiram à queda. Os Bombeiros de Paredes receberam o alerta por parte do CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) e do CDOS (Comando de Operações de Socorro), e, durante todo o dia, estiveram no local vários operacionais juntamente com a GNR e a SIV de Valongo, bem como uma equipa de mergulhadores das Águas Bravas de Valongo.

De acordo com Vítor Martins, adjunto do Comando dos Bombeiros Voluntários de Paredes, as buscas ontem terminaram pelas 19h30. “Procuramos pelas margens, quer esquerda, quer direita, e de montante para jusante do rio, mas sem sucesso”, acrescentando que esta manhã a procura foi retomada.

“As buscas iniciaram às 8 horas da manhã, com uma equipa de mergulhadores da Vila das Aves, são três mergulhadores em trabalho, mas ainda não encontraram nada”, disse o adjunto do comando ao Jornal A VERDADE.

A decorrer junto à ponte das Coutinhas, na entrada do concelho de Paredes, as buscas pela pessoa desaparecida continuam e, de acordo com Vítor Martins, serão feitas noutros locais por onde passa o rio Sousa.

1 comentário

Publicidade

banner-lousada-700x262

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

1 Comentário

  • António Silva - Penafiel
    1 Abril, 2019, 20:25

    A notícia é a versão que corre de boca em boca, e, regra geral, estas conversas acabam por confirmar-se positivas, infelizmente.
    Penso se o Estado não poderia evitar situações como esta. Existem outras situações muito semelhantes, por cá e por todo o País.
    Quando ouvimos notícias, deste ou daquele tema, é acrescentado: «já estava sinalizado».
    Mas será que isso chega, ou é uma forma de desresponsabilização?
    Tenho a sensação de que se gasta dinheiro, com algum excesso, em aplicações dispensáveis, ou de relativa prioridade.
    Sei que é fácil sermos críticos, mas vemos tantas situações de desresponsabilização, que custa aceitarmos, de ânimo leve, situações semelhantes, ou muito parecidas.
    A vida deve ter tanto valor, quer seja de uma pessoa rica, ou da alta sociedade, quer seja de pessoa pobre ou desprotegida.
    Deixo os mais sinceros pêsames aos familiares e amigos.

    REPLY