Publicidade

banner-baiao-festas-700x259

Baião e Resende juntos pela ligação rodoviária à Ponte da Ermida

Baião e Resende juntos pela ligação rodoviária à Ponte da Ermida

Na tarde desta segunda-feira, dia 21 de janeiro, os presidentes de câmara de Baião e Resende, juntamente com os líderes das distritais do PS Porto e Viseu bem como alguns deputados da Assembleia da República eleitos por esses distritos estiveram reunidos em Santa Marinha do Zêzere, em Baião, para debater aquilo que consideram “um desrespeito” para com o interior.

A obra reclamada desde 1985 com ligação de Baião à Ponte da Ermida e depois a ligação daí a Bigorne não está contemplada no Plano Nacional de Investimentos para a década 2020/2030, facto que deixou os autarcas “revoltados” com a situação.

Em 1998 aquando a inauguração da Ponte da Ermida, feita pelo então presidente da República Jorge Sampaio, foram feitas promessas que se tornaram sucessivas ao longo dos anos para conclusão da obra. Em 2008 chegou mesmo a ser adjudicada para construção, no entanto devido à crise que assolou o país foi parada e até hoje não viu “luz verde”.

Com o novo plano nacional de investimentos, Baião e Resende esperavam ter boas notícias, mas a verdade é que esta obra continua sem fazer parte das pretensões do Governo para a próxima década.

Manuel Pizarro e António Borges, líderes das distritais do PS, Porto e Viseu, respetivamente, foram unânimes quanto à necessidade da obra. Manuel Pizarro deixou claro que “não basta falar em coesão territorial se depois não se colocam em prática obras desta prioridade”.

António Borges foi implacável e considera ser “impensável que um investimento como este não esteja no PNI 2030”.

Paulo Pereira e Garcez Trindade, autarcas locais, no final da reunião estavam “satisfeitos pelo que ouviram da parte dos deputados que garantiram fazer pressão sobre o Governo”, no entanto apreensivos quanto à resolução efetiva do problema.

Paulo Pereira, presidente do município de Baião, questionou mesmo se no meio de “tantos milhões” de investimento para zonais centrais não restava “alguns para esta obra de extrema necessidade para todo o território”.

Do lado de Resende, Garcez Trindade frisou várias vezes a dificuldade no socorro às pessoas em Resende e Baião, já que o hospital central para esta região é Penafiel e a distância temporal é de cerca de uma hora. “Se for necessário um médico se deslocar a estas localidades demora entre 45 minutos a uma hora, mais o regresso ao centro hospital, o que perfaz cerca de duas horas para auxiliar uma urgência médica”, lembrou.

“Argumentos fortíssimos” não faltam, nas palavras de Manuel Pizarro e de todos os elementos da reunião que agora pretendem fazer pressão para que a ligação rodoviária de Baião à Ponte da Ermida, sobre o rio Douro, seja retomada e concluída, melhorando a qualidade vida de todos desta região.

Publicidade

banner-lousada-700x262

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta