Publicidade

banner-baiao-festas-700x259

Artigo – De Boa Saúde: Dar de beber a quem (ainda não) tem sede

Artigo – De Boa Saúde: Dar de beber a quem (ainda não) tem sede

DAR DE BEBER A QUEM (AINDA NÃO) TEM SEDE

“- Costuma beber água durante o dia?
– Ui doutor, não… Eu nunca tenho sede!”
Não é um diálogo de filme, mas a verdade é que é quase um filme desmistificar este tipo de afirmação. Frequentemente, na consulta, deparamos-nos com a necessidade de alertar para uma ingestão hídrica mais eficaz, mas o verdadeiro balde de água fria chega quando comprovamos a dificuldade em fazê-lo.

ÁGUA PERDIDA, ÁGUA INGERIDA

Imagino que saiba que a água é o principal constituinte do nosso organismo e que a perdemos diariamente – seja pela transpiração, pela urina, pelas fezes ou até mesmo pelo simples ato de respirar. No entanto, confesse, raramente pensa que essas perdas precisam de ser repostas regularmente, certo? Mas é mesmo verdade. Diz-se na gíria “rei morto, rei posto” e o ditado aplica-se perfeitamente à rainha dos nutrientes: devemos repô-la mesmo antes de darmos por falta dela. É exatamente por isso que não deve esperar por ter sede para ingerir água!
Sabia disso? Não? Eu explico: esta sensação de sede é já uma espécie de pedido de ajuda por parte do nosso organismo, resultado de uma desidratação que necessita rapidamente de ser contrariada, uma vez que a quantidade de líquidos existente dentro e fora das nossas células nesse momento parece não ser suficiente para assegurar o nosso normal funcionamento.

APRENDA A LER OS SINAIS

Somos uma máquina tão bem oleada que, quase sempre, basta que estejamos atentos ao que vemos e sentimos para percebermos facilmente o que está a acontecer dentro de nós (quase filosófico, mas verdadeiro!). Para além da sensação de sede, sinais como uma urina de cor ou cheiro intenso, cansaço, dor de cabeça, dificuldades de concentração e memória podem mesmo significar desidratação. Evite-os, reforçando a ingestão de líquidos.
Para isso, saiba que nem só de água vive a hidratação: chás, infusões, leite, néctares e até mesmo sopas, saladas e fruta são excelentes opções para aumentar o aporte de água para o nosso corpo. Acima de tudo, faça uma escolha de fontes de hidratação que se ajuste a uma alimentação adaptada às suas necessidades, gostos e preocupações, para que lhe seja mais fácil e prazeroso criar este hábito – até porque, sendo adulto/a, precisa de ingerir 1,5 a 2L de líquidos por dia, por isso, é bom que o faça de uma forma que lhe saiba bem!

À SUA!

Estamos no inverno e bem sei que, nesta altura de frio, apetece menos beber sem ter sede. Mas agora que já percebeu a importância de evitar essa sensação, deixo-lhe um último conselho: “divida o bem pelas aldeias” – opte por beber pequenas quantidades de cada vez e frequentemente ao longo do dia. Custa menos e é mais eficaz.

Despeço-me com um brinde: à sua saúde e a um excelente ano de 2019! Eu volto no mês que vem. Conto consigo. E espero encontrá-lo/a de boa saúde.

Dr. Francisco Santos Coelho
Médico Interno de Medicina Geral e Familiar

A Verdade
ADMINISTRATOR
PERFIL

Publicidade

banner-lousada-700x262

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta