Família pede ajuda para encontrar filho que desapareceu em Marco de Canaveses

Família pede ajuda para encontrar filho que desapareceu em Marco de Canaveses

 

Um jovem de 14 anos, natural do Açores, está desaparecido desde quinta-feira. Diogo Valentim estava na ART (Associação de Respostas Terapêuticas) de Magrelos, em Marco de Canaveses, quando fugiu.

Tiago Silva e Sónia Alves, pais do adolescente, encontram-se no Porto desde domingo à noite à procura de respostas, tendo reportado o desaparecimento à PSP do Bonfim. “A informação que tínhamos foi que ele foi visto na estação de Campanhã. Quando chegamos fomos diretos para lá, depois fomos à PSP do Bonfim apresentar a queixa do desaparecimento”, explicou Tiago Silva ao Jornal A VERDADE.

Diogo Valentim  terá fugido na companhia de um outro jovem, com 16 anos, que, segundo o pai, “conhece melhor o continente” e “já não é a primeira vez que o faz”.

 “O nosso rapaz é calminho, tem os seus problemas psicológicos, mas não é de fugir”, disse ainda Tiago Silva.

Está a circular nas redes sociais um apelo para quem encontrar o Diogo. Os pais pedem, para quem tiver informações sobre o seu paradeiro, para ligar para os números 967601554 ou 969733731, ou contactar uma autoridade próxima, uma vez que o desaparecimento já é do conhecimento das autoridades a nível nacional.

Até ao momento não foi possível falar com os responsáveis pela ART Magrelos.

 

9 comentários
A Verdade
ADMINISTRATOR
PERFIL

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

9 Comentários

  • telma
    25 Julho, 2018, 12:13

    a ART Magrelos devia falar….

    REPLY
  • Ana
    26 Julho, 2018, 8:00

    Se fugiram e um deles não é a primeira vez é porque a instituição onde se encontram não os deve tratar muito bem porque se trata-se isto não acontecia, que tal averiguarem o que se passa lá dentro, muitas crianças e jovens são colocados em instituições e infelizmente coitadinhos, são muito mal tratados ao ponto de fugir ser a única via para se livrarem da situação, tenho mta pena que jovens em vez de estarem com as famílias sejam deixados nestes locais como animais num canil.

    REPLY
    • António @Ana
      27 Julho, 2018, 1:00

      Olá dona Ana
      Sou um ex utente da instituição ART Quinta do Sol e não gosto da sua maneira de pensar pois se o Valentim fugiu foi porque queria voltar para o ambiente em que estava antes ou seja voltar a consumir ele próprio o dizia que não aceitava a reabilitação
      E falo em nome da ART pois quem lá trabalha não tem culpa absolutamente alguma pois todos os dias se esforçam para não sermos uns bandidos e para não voltarmos a ter os comportamentos que antes tínhamos a ART é uma casa de respeito pois todos os utentes que lá estão institunalizados se tratam como irmãos pois a ART è uma casa de tratamento e não um canil como voçe nem ninguém diga mal da instituição pois quem está de fora só vê o lado dos miúdos que entraram mas na verdade a própria sociedade os rejeita e lhes mete um rótulo de bandido.
      Ninguém conhece nem sonha os problemas que a excelente equipa de monitorização passa a tentar todos os dias mudar cada jovem que lá está, desde comportamentos a terapia família por isso falar todos falam fazer já nem todos querem porque as pessoas que não conhecem a instituição pensam que aquilo è pior que a prisão muitos dos utentes têm idade e processos para ir para um estabelecimento fechado e com guardas de segurança e não com monitores que depositam desde o primeiro dia em que o jovem entra até ao último todos os dias 24 sob 24 horas mesmo quando os jovens desiludem os adultos eles no dia seguinte estão lá.
      Problemas há em todas as instituições mas na ART não há violência entre utentes não há roubos não há faltas de respeito como referi ART è uma família e se alguém tiver dúvidas que pergunte ao diretor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa o que acha da instituição ART QUINTA DO SOL.
      Como referi em cima quem quiser perceber o que se passa todos os dias naquela casa que exprimente passar lá um dia e depois que venha para aqui borrar o nome duma instituição nacionalmente conhecida.
      E só mais uma coisa se a ART è assim tão má porquê que todas as instituições se querem ver livre o mais rápido possível dos jovens com comportamentos de risco e que eu tenha conhecimento até hoje a ART nunca encaminhou nenhum jovem mesmo que merecesse para um estabelecimento fechado por guardas de manhã á noite.
      Só quem lá está ou esteve como foi o meu caso percebe o trabalho que está lá dentro e o investimento que cada monitor e doutor faz para que o jovem não volte a ter uma vida de risco e volto a repetir a equipa de monitorização não reabilita só o jovem reabilita a família ou seja faz terapia familiar e acompanhamento dos jovens enquanto lá estão.
      Por isso dona Ana sem lhe querer faltar ao respeito passe um dia inteiro de manhã á noite para perceber o que realmente é a ART QUINTA DO SOL MAGRELOS.
      ART è uma nova vida e eu e muitos outros ex utentes somos a prova viva de que o trabalho que se faz na ART não é mentira.
      EU SOU ART QUINTA DO SOL E NÃO DEIXO QUE NADA NEM NINGUÉM DENEGRIDA O BOM NOME DA INSTITUIÇÃO
      NADA NOS NOS TIRA A MOTIVAÇÃO PARA AJUDAR AINDA MAIS JOVENS

      Boa Noite
      António

      REPLY
      • Marieta da Conceiçao Duarte @António
        28 Julho, 2018, 23:22

        É de lamentar a fuga dum menor. Todavia quando ele foi para a Instituição já é uma pessoa carregada de problemas e faltas de orientação familiar .Quase todos tem origem em familias sem qualquer estrutura parental , familiar e , desregradas .Na mesma tentam incutir-lhe principios aos quais os menores ,são por norma e pela verdura dos seus anos ,avessos. Mas há muitos bons chefes de familia que tiveram a sua infancia/formação ,em Instituições. Ainda bem que as há com a função de os socializar e retira-los das anteriores vivencias. Bem haja !!!!

        REPLY
    • Irene@Ana
      11 Agosto, 2018, 20:07

      Boa tarde Ana .
      Bem , nem sei muito bem por onde começar …
      Escreveu um comentário tão pequeno , mas que me permite concluir com certeza , de que está por fora de tudo isto … Aliás , por fora do que é uma instituição como a ART, do que é um jovem de risco , do trabalho que se realiza em intuições deste género, nomeadamente na ART.
      A verdade é que ninguém vai buscar o/a filho/a de ninguém a casa, á escola ou por vezes a outras instituições, por serem alunos de mérito, ou até medianos , por serem filhos exemplares ou até mesmo crianças ou adolescentes normais , com crises normais da fase da adolescência ou coisa que se pareça .
      Qualquer menor retirado das famílias tem problemas, ou comportamentais , ou a família simboliza um risco para o menor , ou por vezes ambas as situações. Depois de institucionalizados as famílias têm o hábito de exigir o que nunca deram aos filhos … não os controlam , mas querem que as instituições os controlem … Contraditório não acha D. Ana , parece-me a mim que falta o elemento "coerência" . Ainda assim eu gostava que conhecesse a ART … A ART é uma comunidade aberta á comunidade e de certo terá todo o gosto em mostrar-lhe as instalações , bem como um dia da terapêutica destes jovens e poderá ver que a instituição não tem gradeamento ou portões de alta segurança, porque é na verdade uma casa que acolhe com o coração muitos miúdos a precisarem de orientação , que é o que na verdade acontece. Normalmente quando estes jovens fogem , não tem a ver com as condições em que vivem ou com a forma como são tratados (pois são tratados como seres humanos, com respeito e com amor – e acredite que isto são coisas que não tinham nas casas de onde são retirados) , tem a ver com o facto de acharem que são superiores a todos os ensinamentos que lhes são dados diariamente, acompanhamento , criação de rotinas , actividades extra curriculares , com super foco nos estudos e no progresso académico (acredite ou não, há miúdos que chegam á ART com anos de abstinência escolar), e como não querem dar-se ao trabalho de confiar e lutar para realmente se tornarem pessoas que a sociedade (da qual a Ana faz parte) aceitem, fogem , fogem porque querem levar a "vidinha" de todos os dias (comportamentos aditivos, desviantes) ao invés de, como já disse, aceitarem tudo o que lhes é colocado ao dispor para melhorarem , para crescerem , para se tornarem saudáveis , estáveis …
      Queira desculpar-me este extenso comentário , mas realmente as pessoas não devem criar opiniões e partilhá-las sem saberem do que falam , eu aceito que tenha essa opinião quando conhecer , quando se der ao trabalho de pensar que , é muito simples educar , dar valores a uma criança quando isso vem da base , mas experimente REeducar …aí as coisas complicam , e para isso existem profissionais fantásticos , de mérito e com "amor á camisola", que dispensam por vezes do seu tempo pessoal , do tempo que pertence ás suas famílias , para estarem presentes na vida destes jovens e para fazerem o mais e melhor que sabem para lutar pela vida deles , mais do que eles próprios ou as famílias …
      Até lá , espero não ter sido demasiado dura , mas dura ou não , esta é a verdade …
      Irene Pereira
      22 anos

      REPLY
  • EUCLIDES DE PAULA
    14 Agosto, 2018, 3:34

    Euclides de Paula QUEM TEM FÉ EM JESUS, NÃO DEVERIA PEDIR AJUDA A OUTROS HUMANOS, ESTOU CERTO? RSSSS

    REPLY
  • Felisbela
    18 Agosto, 2018, 16:52

    Infelizmente há pessoas que não sabem mesmo do que falam. Porque é que na mesma família há por exemplo três irmãos e só um sai fora do sistema? não tiveram o mesmo ambiente, a mesma educação? tiveram, para mim é uma questão de personalidade, integração de grupo, infelizmente sei bem do que falo, cada caso é um caso. Só quem está no convento, sabe o que lá vai dentro, boa sorte para estes pais, tudo de bom.

    REPLY
  • maria bastos
    26 Setembro, 2018, 0:54

    No domingo passado vi um jovem parecido só que o rosto era um pouco mais magro um pouco de bigode ainda no inicio do crescimento estava com uma moça a entrada do shoping de gaia devia ser mais ou menos 17,30 chamou me atençao porque a moça com quem estava estava sempre a rir disparatadamente e me fez reparar nele mas é assim non tenho certesa

    REPLY

Apoie o jornalismo de qualidade.
Faça uma doação para este projeto.