Penafiel: Apanhado a conduzir sem carta aos 92 anos

Penafiel: Apanhado a conduzir sem carta aos 92 anos

A GNR deteve um idoso de 92 anos por condução sem habilitação legal. O nonagenário foi apanhado ao volante do seu automóvel, de 2016, quando percorria uma das principais avenidas da cidade de Penafiel. No banco do passageiro, seguia a esposa de 92 anos.

Não foi a primeira vez que o idoso foi apanhado a conduzir ilegalmente desde que ficou impossibilitado de renovar a carta devido a doença. Mesmo assim, garante que vai continuar a usar o carro para pequenos passeios.

A Comissão Municipal de Proteção do Idoso de Penafiel (CMPIP) está a acompanhar o caso.

Diagnosticado recentemente com demência

O problema surgiu quando o idoso dirigiu-se ao médico de família para que este lhe passasse o atestado médico obrigatório para a renovação da carta de condução. Porém, durante a consulta, foi-lhe diagnosticada demência e o clínico não emitiu o documento pretendido, impossibilitando, dessa forma, a renovação da carta de condução. O idoso não aceitou a fatalidade e, mesmo sem a habilitação legal, continuou a conduzir.

No início da semana, acabou detido e levado ao posto da Guarda. Posteriormente, foi libertado e notificado para se apresentar no Tribunal. Mesmo assim, garantiu aos militares que voltaria a conduzir, alegando que guiou carros toda a vida e que não necessita de carta de condução para o fazer.

Aliás, esta não foi a primeira vez que o nonagenário foi intercetado pelos militares a conduzir sem carta e, recentemente, o caso chegou ao conhecimento da CMPIP, através da Linha Nacional de Emergência Social. “A questão em causa foi identificada este mês e estamos a articular uma solução com a retaguarda familiar existente. Fizemos várias diligências, nomeadamente visitas ao domicílio e contactos com diferentes entidades”, refere Daniela Oliveira, presidente da CMPIP.

A mesma responsável explica que o “processo está a ser agilizado”, sempre com a colaboração da família, no sentido de ser definida “uma intervenção” que permita resolver o caso.

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta