Ter filhos e netos a viver na mesma casa é comum para 51% dos seniores portugueses

Ter filhos e netos a viver na mesma casa é comum para 51% dos seniores portugueses

No panorama europeu, verifica-se que os filhos saem de casa cada vez mais tarde. Portugal e Espanha são dos países nos quais a idade média para sair da habitação familiar é mais elevada, sendo suplantados apenas pela Eslováquia e por Itália.

Em média, 32% dos seniores europeus afirma ter pelo menos um filho a viver consigo, valor que chega aos 43% se forem considerados os seniores entre os 50 e os 59 anos. De acordo com o Observador Cetelem do Consumo, a coabitação intergeracional com descendentes e ascendentes é mais evidente nos países mediterrânicos e em alguns países do leste da Europa.

Idade para sair de casa da família é elevada. 51% dos portugueses entre os 50 e os 65 anos afirma ter descendentes a viver na sua habitação. Na Europa, este valor é ultrapassado apenas por Espanha, onde 57% dos seniores afirma partilhar casa com filhos, netos ou bisnetos. Esta tendência verifica-se nos países mediterrânicos e nos países do leste europeu, onde é igualmente comum permanecer em casa dos pais.

A idade média de 29 anos para sair de casa da família, em Portugal e Espanha, é também das mais elevadas da Europa, onde a média é aos 26 anos. Somente os italianos e eslovacos saem de casa mais tarde, aos 30 e aos 31 anos, respetivamente. Em comparação, os jovens dinamarqueses são os que saem de casa mais cedo, aos 21 anos, seguidos pelos britânicos e pelos alemães. Estes são também os países onde uma menor percentagem de seniores tem descendentes a viver consigo.

“Em Portugal, a idade para sair de casa dos pais é elevada (29 anos). Este é um fenómeno que pode ser explicado pelo prolongamento dos estudos e pelas dificuldades de acesso ao mercado de trabalho, assim como pelos casamentos mais tardios”, refere Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem.

Apoio a pais idosos é comum em Portugal. Na Europa, 46% dos seniores tem pelo menos um dos seus ascendentes vivo e 5% tem pais ou padrastos a viver consigo. À semelhança da partilha de casa com filhos e netos, é também nos países mediterrânicos e do leste europeu onde a coabitação com ascendentes é mais elevada. 8% dos portugueses com mais de 50 anos tem um ascendente a viver na sua casa, um valor partilhado com a Itália e ultrapassado apenas pela Roménia, que regista 10%.

“Em países como o Reino Unido ou a Alemanha, a solidariedade entre gerações é menos intensa. O mesmo se passa com o modelo escandinavo, através do qual o estado liberta os cidadãos da responsabilidade de cuidar dos familiares idosos. Desta forma, o facto da coabitação intergeracional ser mais frequente em determinados países, como Portugal, não resulta apenas da crise económica, mas também dos próprios fatores culturais”, conclui Diogo Lopes Pereira.

Para as análises e previsões deste estudo foram inquiridos 10.673 europeus com amostras de, pelo menos, 800 indivíduos por país, das quais pelo menos 275 com idades entre os 50 e os 75 anos. O inquérito, feito através da Internet, realizou-se em 13 países: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Itália, Portugal, Reino Unido, Hungria, Polónia, República Checa, Eslováquia e Roménia. Os inquéritos foram realizados entre 2 de novembro e 4 de dezembro de 2015 pelo Observador Cetelem, em parceria com a sociedade de estudos e consultoria BIPE, com base num inquérito barométrico conduzido pela TNS Sofres.

 

 

A Verdade
ADMINISTRATOR
PERFIL

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

Apoie o jornalismo de qualidade.
Faça uma doação para este projeto.