Clone do Freixo de Duarte de Armas plantado no Parque Florestal de Amarante

Clone do Freixo de Duarte de Armas plantado no Parque Florestal de Amarante

A árvore que dá o nome a Freixo de Espada à Cinta, tem mais de 500 anos, é o clone do freixo mais famoso de Portugal e foi agora plantado no Parque Florestal de Amarante. A plantação aconteceu precisamente a 23 de novembro, dia da Floresta Autóctone.

O Freixo de Duarte de Armas – assim se chama a árvore emblemática de Freixo de Espada à Cinta – conta com cinco clones. É importante referir que o primeiro exemplar foi entregue à Presidência da República, em 2016, para ser plantado nos jardins do Palácio de Belém.

Luís Martins da UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro explicou que após um processo “delicado de recuperação da árvore foram entregues a 24 de maio de 2016 os clones da mesma às 20 capitais de distrito, incluindo as Regiões Autónomas dos Açores e Madeira e foi apresentado o livro que descreve todo o processo”.

O Instituto para a Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), envolvendo diretamente o Viveiro Florestal de Amarante, da Divisão de Gestão Operacional e Valorização do Norte, comprometeu-se em estudar a viabilidade da propagação vegetativa (clonal) e seminal do Freixo Duarte de Armas e ajustar os procedimentos técnicos e científicos para a sua realização.

freixo dom duarte de armas (1)

Carlos Silva do ICNF, comentou que este esforço de “reprodução do exemplar arbóreo mais icónico da terra natal de Guerra Junqueiro, levado a efeito pelo Viveiro Florestal de Amarante, manifestou a complexidade de reprodução vegetativa de árvores centenárias e em simultâneo o caráter vincadamente resiliente da espécie – Fraxinus angustifólia Vahl”.

“Trata-se de uma espécie autóctone e fortemente plástica em todo o território nacional, relevante ao nível medicinal e ao nível ecológico”, concluiu.

Os clones e o livro resultam de um “trabalho conjunto de recuperação, da condição e estrutura por processos cirúrgicos e técnicas para estabilização do tronco e copa e que incluiu pesquisas da história, arqueologia, botânica, fisiologia e fitossanidade, por uma equipa de investigadores da UTAD, da Universidade do Algarve, do ICNF e do Município de Freixo de Espada à Cinta”, comentou Luís Martins.

Provenientes da árvore que tem mais de 500 anos, os clones emprestaram o nome à vila transmontana. De acordo com o investigador Luís Martins, foram feitas mais de 900 tentativas para assegurar os primeiros cinco clones, já que a clonagem foi feita através de raízes novas, que nasceram após o início do processo de recuperação do freixo.

O freixo tem o nome associado a Duarte de Armas, que representou cartograficamente, a mando do rei Manuel I, a cartografia de 56 castelos fronteiriços de Portugal, entre 1509 e 1510.

 

A Verdade
ADMINISTRATOR
PERFIL

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta