Marco de Canaveses: Carta Aberta sobre a Alimentação Escolar

Marco de Canaveses: Carta Aberta sobre a Alimentação Escolar

Caros representantes das autarquias locais,

Caros pais e encarregados de educação,

Os Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica nº 1 de Marco de Canaveses têm, proactivamente, trabalhado em parceria para uma escola de qualidade.

Para além de sermos responsáveis pelo “prolongamento” (CAF – Componente de Apoio à Família) com atividades de animação e de acompanhamento ao estudo, dinamizamos a AEC de Inglês, colaboramos ativamente nas atividades da escola como o Halloween, o Natal, o Carnaval, a Páscoa, o Dia Mundial da Criança, o Dia Mundial da Música ou a Festa de Finalistas, colocamos funcionárias na escola que colaboram nas tarefas de limpeza e manutenção do edifício bem como vigilância das crianças, este ano, conseguimos ainda uma psicóloga para dinamizar um projeto de educação e desenvolvimento pelo brincar. A par destas atividades, esta Associação de Pais, participa no Conselho Geral do Agrupamento de Escolas e na Federação de Associações de Pais, participa em reuniões com o corpo docente da escola, sempre com grande sentido de responsabilidade.

No final do ano letivo, deliberou-se o envio desta carta aberta às entidades com responsabilidades neste estabelecimento escolar, bem como à nossa comunidade. Esta fase de mudança e transição de responsabilidades proporcionada pelo recente período eleitoral, é favorável a esta reflexão.

O nosso objetivo, sabendo de antemão que a solução que procuramos pode demorar anos a ser encontrada, é de promover um profundo debate sobre a alimentação escolar, que procure soluções e que as implante efetivamente no terreno.

Na nossa escola, e como tantas outras do nosso concelho, as refeições são servidas por empresas de fornecimento de refeições.

Normalmente, no início de cada ano escolar, solicitamos às várias entidades responsáveis pelo estabelecimento escolar (Direção de Agrupamento, Coordenador de Escola, Empresa de Serviço de Refeições e Junta de Freguesia) uma reunião de avaliação onde expomos as nossas preocupações quanto à qualidade da alimentação e ao acompanhamento das crianças no refeitório.

O ano letivo anterior, muito concretamente, conseguimos que as crianças almoçassem em dois turnos, permitindo uma melhor vigilância e controle por parte dos funcionários, retiramos os fritos da ementa, e diminuímos o número de pratos com salchichas. (No ano lectivo 2017-2018 esta reunião ainda não foi realizada).

Contudo, em reunião de final do ano letivo 2016 – 2017, as preocupações dos pais continuaram, nomeadamente: era servida pouca quantidade de comida; a sopa era igual todos os dias da semana, sem se sentir a variação de sabor dos legumes ou textura; o acompanhamento e vigilância das crianças era insuficiente, apesar das estratégias utilizadas de avaliação / monitorização (bola verde, amarela e vermelha) pelos funcionários; a qualidade da comida era duvidosa pois havia muitos pratos que as crianças nem conseguiam identificar o que estavam a comer, se peixe ou carne, entre outras preocupações.

Sabemos que há muitas crianças que têm maus hábitos alimentares e maus hábitos sociais em casa: levantam-se da mesa, comem a ver televisão ou tablet, comem sopa de vez em quando, a fruta como sobremesa não é uma regra, enfim, um cenário nada fácil, mas não impossível. Também sabemos que há crianças que comem tudo, fazem uma alimentação saudável e equilibrada e que não se queixam…não se queixam da alimentação na escola.

Temos de ser nós, pais e comunidade a defender a saúde e o desenvolvimento destas crianças. Porque as cantinas são um espaço de educação para a saúde, de promoção de estilos de vida saudáveis e de igualdade social – não há distinção pelo estatuto socioeconómico das famílias. Acreditamos que as cantinas são essenciais para o funcionamento de uma escola de qualidade.

Façamos um pequeno exercício: que qualidade e quantidade se pode exigir a uma empresa que fornece uma refeição, com despesas de confecção e recursos humanos a 0,90€?* valor praticado por algumas empresas do sector.

O Caderno de Encargos do Procedimento de Contratação Pública estabelece algumas orientações. Vejamos:

– A ementa diária deverá ser composta por sopa, prato de carne ou pescado, acompanhamento (arroz, massa, feijão, grão…), hortícolas e/ou saladas, pão de mistura e sobremesa (3 variedades de fruta da época, a fruta pode ser cozida sem açúcar 1 X por semana, no máximo de 1 X por semana pode ser servido iogurte, gelatina, gelado) e água.

– As ementas deverão incluir algumas indicações como: Pratos que incluam ovo só podem ser servidos 2 X por mês; Pratos com carne ou peixe fraccionados só pode ser servido no máximo 2 X por semana; Peixe à posta 1 X por semana; Bife, costeleta, carne assada ou estufada fatiada 1 X por semana.

– A listagem de alimentos autorizados inclui, entre outros, carne de 1ª categoria sem osso para bifes e para assar e carne de 2ª categoria para guisar ou para cozer; o pescado deve ser servido inteiro (dourada, robalo, cavala, carapau..), ou em postas, filetes e lombos.

Parece-nos evidente que estes critérios são difíceis de cumprir e que não é a rotatividade de empresas que se submetem a concurso que pode colmatar estas falhas.

Na última reunião de pais registamos as seguintes sugestões:

– a Câmara Municipal e as Juntas de Freguesia e Agrupamentos de Escolas devem trabalhar num programa de serviço de refeições de confecção própria;

– as Associações de Pais e representantes de pais estão disponíveis para elaborar um dossier de boas práticas de outros municípios onde as refeições são confecionadas pelos agrupamentos e autarquias, a fim de apoiar um estudo de viabilidade económica;

– as novas escolas e centros escolares, bem como algumas IPSS’s possuem cozinhas que cumprem a legislação em termos de HACCP, sendo possível economizar nos gastos da confecção, garantindo as normas de higiene e conservação (práticas igualmente verificadas noutros municípios do país);

– havendo lugar à adjudicação a empresas do ramo de hotelaria e restauração, deverá ser definido um calendário de avaliação e acompanhamento do serviço, pois no início há um esforço visível por parte das empresas para agradar às crianças e aos pais, cumprindo o caderno de encargos, mas esse “esforço” vai diminuindo ao longo do ano;

– havendo lugar à adjudicação a empresas do ramo de hotelaria e restauração, o concurso não deve ser decidido com base apenas no critério do preço mais baixo e do compromisso da legislação em vigor, mas decidido com base numa fórmula composta por diferentes critérios;

– O pagamento das refeições deveria ser facilitado, por transferência, por referência multibanco, pois há muitas famílias que não têm horário para se deslocar à tesouraria da Câmara Municipal, à semelhança de outros serviços.

Os pais merecem ser cabalmente esclarecidos sobre quem é a responsabilidade de quem no serviço e acompanhamento das refeições. Podem os funcionários responder pelo bem estar das crianças no refeitório? Está o agrupamento, os professores e os funcionários da escola ilibados do que se passa entre portas no refeitório? Se uma criança não come, a quem se pode pedir responsabilidade? Porque é que em algumas escolas todos os funcionários (do Ministério da Educação, da Câmara Municipal, da Junta de Freguesia), todos partilham nas suas funções da vigilância no refeitório e noutras escolas essas tarefas ficam entregues a crianças de 6 a 9 anos?

É uma temática de maior importância e os pais desta escola estão completamente disponíveis para trabalhar por forma a que se consiga desenvolver um serviço que está na base de uma escola de qualidade. Este é o sentimento e a disponibilidade de muitos pais das várias escolas do Marco de Canaveses.

Associação de Pais da EB1 do Marco de Canaveses

2 comentários
A Verdade
ADMINISTRATOR
PERFIL

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios marcados com um *

Cancelar resposta

2 Comentários

  • Guiomar Valdoleiros
    12 Outubro, 2017, 23:06

    Queridos pais…agradecia que visitassem a cantiga e o bar da escola básica…. a brincadeira repete se. As nossas crianças devem e merecem ter uma alimentação saudável não só nas eb1 mas no resto do seu percurso escolar. Tenho todos os anos vindo a manifestar o minha opinião, contudo sem sucesso. Estou solidária com vocês.

    REPLY
  • Raquel
    13 Outubro, 2017, 18:52

    Levem lá o Presidente com a Giovanna…era bonito mostrar as joias de marco de canaveses…as verdadeiras…

    REPLY

Apoie o jornalismo de qualidade.
Faça uma doação para este projeto.